Loja virtual para autopeças: por onde começar?

O setor de autopeças espera um crescimento de 14,6% no faturamento líquido de 2021, conforme projeção do Sindipeças. Para chegar a este resultado, o mercado tem contado com o poder de vendas das lojas virtuais que são responsáveis por uma fatia cada vez maior da receita deste segmento.

Se você trabalha com a comercialização de autopeças e quer investir nas vendas on-line, este é o conteúdo certo para se informar.

e-commerce de autopeças
Por que vender autopeças on-line é um bom negócio?

A pandemia desacelerou as vendas de carros novos, o que faz a frota nacional ter uma idade maior, contexto que impõe a necessidade de mais peças de reposição.

Além disso, há a expectativa de que a inflação de 3-4% a.a. nos próximos dois anos impulsione o mercado de reposição para um crescimento de 6-7%, segundo relatório da McKinsey sobre o Mercado de Reposição Automotivo no Brasil.
Em paralelo, o e-commerce brasileiro alcançou a marca de R$ 87 bilhões em vendas em 2020. É, sem dúvidas, o mercado mais promissor da atualidade. Tal crescimento só foi possível pela entrada de 13 milhões de novos consumidores, como apontou o levantamento Webshoppers 43.

Fazer compras on-line é um novo hábito que veio para ficar. E, no mercado de autopeças, esse cenário, apesar de não ser uma novidade, tem chamado ainda mais a atenção do mercado de reposição que precisa se adequar às necessidades do consumidor e também encontrar formas de lidar com a concorrência dos marketplaces.

Marketplaces no mercado de autopeças: entenda o porquê

No 1º semestre de 2020, o relatório Webshoppers 42 mostrou que 78% do faturamento do e-commerce veio de varejistas que também vendiam em marketplaces. Especificamente no setor de autopeças, o Mercado Livre tem um certo protagonismo.

De 2015 a 2016, o segmento de autopeças foi líder de vendas no maior marketplace da América Latina. Este foi um grande divisor de águas e chamou a atenção não apenas dos vendedores, como também do consumidor que ganhou mais confiança para fazer esse tipo de compra pela internet.

Por isso, o Mercado Livre é visto por muitos como porta de entrada ao mundo das vendas on-line.

Mercado Livre é a melhor opção para começar?

Uma das bandeiras do Mercado Livre é que o anúncio e a oferta de produtos são gratuitos, porém, quem conhece as regras do jogo do marketplace, sabe que concentrar toda a operação ali é um risco importante. Entenda o porquê!

Quanto custa vender no Mercado Livre?

O Mercado Livre cobra uma taxa sobre o valor de venda de cada produto mais uma cobrança fixa de R$ 5 por unidade vendida para produtos abaixo de R$ 79. Esta taxa, que geralmente é de 12% para o setor de autopeças, pode chegar a 17% caso o vendedor queira máxima exposição do seu produto frente aos concorrentes.

Com isso, para preservar seu lucro é necessário elevar o preço. Porém, a alta concorrência permite ao consumidor ignorar mercadorias que estejam acima do valor de mercado.

Faça as contas aplicando estas regras ao negócio: é viável concentrar toda sua operação on-line contando com um desconto de (no mínimo) 12% do faturamento + R$ 5 por produto comercializado?

Além disso, quando falamos em vendas via marketplaces, precisamos destacar que as regras do jogos são dadas pelos donos das plataformas, e depender desse jogo para manter ativo seu plano de negócios é um risco. Uma pequena alteração pode inviabilizar o seu trabalho.

Como vender autopeças on-line sem depender do ML?

Para contar com a força do Mercado Livre sem perder a autonomia do seu negócio, é fundamental a criação de uma loja virtual independente. Por meio dela você pode fazer a integração com o Mercado Livre e, também, vender diretamente para o público final sem ter o peso das taxas cobradas por venda.

Outro benefício que merece destaque é o fato de que com um e-commerce próprio, o vendedor pode trabalhar técnicas de otimização para buscadores (SEO) como o Google, por exemplo, que irão fortalecer sua presença digital atraindo mais tráfego e consequentemente, mais vendas.

Há ainda a possibilidade de investir em campanhas de performance para estimular as vendas. Ou seja, com uma loja on-line própria, o vendedor tem autonomia e segurança para trabalhar com ferramentas importantes para o crescimento do negócio.

Vantagens de começar com um e-commerce e depois integrar com o Mercado Livre

Cadastro de produtos feito na plataforma do e-commerce funciona na integração com o Mercado Livre e outros marketplaces;

  • Gestão de pedidos centralizada na plataforma de e-commerce, ou seja, menos trabalho e maior controle sobre as vendas e estoque;
  • Plataforma de e-commerce permite integração com ERP para emissão de notas fiscais;
  • Autoridade de domínio;
  • Possibilidade de receber cotações via WhatsApp e comunicação mais próxima com o público que acessa o e-commerce, o que com certeza viabiliza mais vendas;
  • Fortalecimento da marca.

Começar a vender on-line sem depender de um marketplace

Para a criação de um e-commerce independente que realmente vende é preciso ter alguns cuidados ainda durante o processo de desenvolvimento da loja virtual.

Esses cuidados começam com a escolha da plataforma de e-commerce, contratação de meios de pagamento e soluções de logística, passa pelas técnicas de cadastro de produtos e chegam até as estratégias de marketing para venda. Quer uma ajuda nossa para entender cada uma destas etapas?

Clique aqui embaixo e chame a gente no WhatsApp. 😉

 

e-commerce

  • Share post