O que é o metaverso?

Você já parou para pensar sobre os avanços tecnológicos que poderão surgir? Quando falamos sobre metaverso estamos nos referindo diretamente a um deles, para ser mais específico, um avanço que já está sendo desenvolvido, nesse exato momento. Chamamos de metaverso o conceito de um ambiente virtual diferente do que conhecemos hoje em dia. De acordo com a sua proposta, todo espaço desenvolvido através do metaverso será totalmente imerso, ou seja, interativo o suficiente para unir mundo real e o virtual, tudo isso, através de aparelhos extremamente modernos, que possuem a capacidade de mesclar a realidade aumentada com realidade virtual http://loans-cash.net .

Para entender melhor, basta imaginar uma página web de jogos de cartas. Apesar de proporcionar uma experiência prazerosa com amigos de forma online, toda interação ainda ocorre através de telas. No metaverso, você estará totalmente presente no ambiente virtual, com o seu avatar, pronto para jogar como se estivesse cara a cara com seu amigo. Porém, é muito importante ressaltar que o metaverso não se trata de conceito para games. Nele, será possível ter todo tipo de experiência, seja para se comunicar, aprender e até mesmo comprar. Atividades que antes eram limitadas à ações físicas poderão se tornar mais práticas, de forma virtual.

O metaverso já existe?

Ainda é cedo para dizer que o conceito completo de metaverso já está presente em nosso mundo, afinal de contas, estamos falando da construção de um ecossistema virtual totalmente livre. Porém, temos alguns jogos atuais que estão totalmente direcionados para esse caminho.

Population: ONE é um jogo de categorizado como Battle Royale, cujo sua principal diferença entre os outros games da mesma categoria é a utilização da realidade virtual (RV), grande ferramenta que constitui o metaverso.

Porém, também temos jogos que seguem grandes conceitos do metaverso mesmo sem possuir ferramentas de alta tecnologia. Recentemente, o jogo Fortnite disponibilizou experiências que vão além do que estávamos acostumados para jogos mais tradicionais. Shows de grandes artistas como Travis Scott e Ariana Grande aconteceram para todos os jogadores, tudo de forma virtual, com direito a presença dos cantores através de avatares de aparência semelhante a eles.

No Brasil, temos a presença da versão nacional do jogo Avakin Life, que possui mais de 2.5 milhões de jogadores brasileiros. A proposta do game se aproxima da criação de um universo de interação, conceito muito parecido com algumas das propostas do metaverso. Além dos citados, é importante ressaltar que a lista de jogos que estão no caminho do metaverso aumenta diariamente, acompanhando a evolução desse conceito.

As marcas que já estão se movimentando

Imagine quantos produtos e serviços são vendidos digitalmente, de forma virtual. Agora, expanda um pouco mais o seu pensamento e pense em como as marcas e empresas poderão não apenas vender, mas se expor em um ambiente criado no metaverso.

Além dos produtos, será possível proporcionar experiências que se remetem à imagem que a marca deseja ser associada, ou melhor, a um universo.
Por essa razão, grandes marcas já estão de olho nas plataformas que estão lucrando com os conceitos do metaverso, como os jogos. Diversas empresas já estão presentes nos games, expondo sua marca e lucrando através dessa estratégia.

Em contraponto, temos marcas que estão focando em desenvolver seu próprio produto digital, que poderão fazer parte de ambientes de metaverso, como a famosa Nike, por exemplo. No metaverso, essas estratégias acabarão sendo unificadas.

O que são NFTs?

Entrando mais a fundo no universo de produtos digitais, é impossível não citar os NFTs, sigla inglês que significa non-fungible token (token não fungível, em português). Trata-se, de forma simples, de um certificado digital que confirma a posse de algum material digital, seja uma obra de arte, uma música ou até mesmo um meme.

Diferente das criptomoedas, os NFT não são fungíveis, em outras palavras, não podem ser divididos ou trocados como forma de comercialização, como por exemplo, você não poderá dividir uma obra NFT em pedaços e comercializá-la.

Já o bitcoin, por exemplo, pode ser enviado a alguém e a pessoa te devolver uma unidade de criptomoeda como “troco”.
Ao entrar no conceito do metaverso, não será surpresa se os NFTs ganharem mais espaço de comercialização, já que estamos nos referindo a ecossistemas digitais.

Veja o vídeo completo (com legenda):

  • Share post