Plataforma de e-commerce: quando mudar?

Se você tem uma loja virtual em crescimento, provavelmente já se deparou com algumas limitações da sua plataforma de e-commerce. É normal e bom que isso aconteça, pois significa que seu negócio está atingindo patamares mais altos. Porém, é importante saber qual é a hora certa de migrar para uma plataforma mais robusta e de acordo com o porte do seu negócio.

mudar plataforma de e-commerce

Quando a plataforma de e-commerce trava seu crescimento?

Trouxemos alguns dos sinais que indicam a necessidade de uma migração de plataforma de e-commerce. Identifique se algum destes itens aparece com frequência na gestão do seu negócio.

1. E-commerce lento faz você perder vendas

Desde março de 2020, as vendas on-line dispararam e, com isso, muitas lojas virtuais precisam lidar com uma alta repentina no volume de pedidos. Mais pedidos significam que o site está recebendo mais tráfego, o que pode levar a uma lentidão no carregamento das páginas e possíveis quedas.

 

É um cenário comum em plataformas que trabalham com a limitação de acessos. Esse é um problema que pode afetar diretamente sua receita, pois o consumidor tem pouca paciência para navegar em páginas lentas e a concorrência é gigante.

 

Além disso, a lentidão ainda prejudica a indexação pelo Google e, assim, o e-commerce passa a aparecer menos para os usuários que buscam por produtos como os seus.

 

2. Faltam integrações nativas com ferramentas de pagamento, frete, ERP e marketplaces

Com o crescimento, pode surgir a necessidade de agregar novas transportadoras ou gateways logísticos que ajudem a melhorar os valores do frete, ou ainda integração de novas soluções de pagamento, se a sua plataforma não oferece integração nativa, uma vez que a estratégica se torna muito cara e inviável.

 

Outro cenário que trava muito o crescimento de um e-commerce é a falta de integração nativa da plataforma com marketplaces do segmento.

 

Pode ser que, ao criar sua loja virtual, você não tenha colocado a venda em marketplace como uma necessidade, mas, com o crescimento do mercado e alta participação dos players nas vendas on-line, é algo que vale ser considerado na atualidade.

 

Para viabilizar a integração de plataformas que não possuem integração nativa com marketplaces, existem os HUBs, mas nem sempre são uma boa decisão, já que cada player fica com uma porcentagem das vendas e isso reduz muito sua margem de lucro.

 

Por isso, ter uma plataforma de e-commerce preparada com todas as integrações nativas facilita muito a operação e gera economia.

 

3. Faltam ferramentas que melhoram a experiência do usuário

Sua loja é intuitiva e de fácil navegação em dispositivos móveis? Você trabalha com ações automáticas de recuperação de carrinho? Há suporte para uma operação omnichannel?

 

Tudo isso faz parte das estratégias de UX, pois melhorar a experiência do usuário dentro da loja faz com que ele compre mais. É a plataforma de e-commerce que deve oferecer ferramentas que permitam tais aprimoramentos.

 

Novamente, destacamos que existem empresas terceirizadas que oferecem ferramentas capazes de melhorar a experiência do usuário, no entanto, por serem externas à plataforma, geram um custo a mais e, geralmente, cobram uma porcentagem sobre o valor dos pedidos.

4. Suporte e atendimento demoram muito para trazer soluções

Qualquer problema mínimo em uma loja virtual pode significar prejuízo financeiro. Por isso, o suporte ao cliente deve ser rápido e eficaz. Se esse não é o caso da sua plataforma, você deve adicionar mais um item à lista de motivos para mudar.

 

5. Sua loja virtual não aparece nas primeiras posições dos resultados de busca do Google

Quem aparece nas primeiras posições do Google vende! Para marcar presença nessa área tão concorrida sem gastar com anúncios, é preciso adequar o e-commerce às estratégias de SEO.

 

O SEO permite que o Google leia as páginas do e-commerce e as indexe para que sejam apresentadas aos usuários que buscam por produtos que você vende.

 

Plataformas que não permitem a personalização de títulos, descrições, palavras-chaves e criação de URL amigável, por exemplo, perdem grande potencial de indexação e, consequentemente, você deixa de aparecer e de vender.

 

Ter uma plataforma de e-commerce que não está alinhada a essa necessidade é mais uma limitação que impede o crescimento da sua receita.

 

6. Plataforma não tem escalabilidade

Ter escalabilidade é premissa básica para um plano de negócios que prevê o crescimento do negócio. Se suas vendas estão alcançando números mais altos do que a plataforma pode suportar e ela não disponibiliza planos com custo-benefício equivalente ao que você busca, com certeza, é um sinal claro de que é hora de mudar.

 

7. Plataforma não permite operação omnichannel ou omnicanalidade

Uma operação omnichannel ou omnicanal prevê integração entre diferentes canais de venda. Exemplo: fiz uma pesquisa por televisores no site, comprei o produto pelo app e retirei na loja física (pick-up in store).

 

Parece simples para o usuário, mas a empresa e a plataforma precisam estar muito bem preparadas para que isso ocorra de forma organizada. Não são muitas as plataformas que oferecem esse tipo de recurso.

 

Para você que possui um e-commerce em crescimento, saiba que, para alavancar ainda mais as vendas, será necessário olhar não apenas para a plataforma, mas também para toda a operação.

 

Chegou à conclusão de que precisa encontrar outra plataforma de e-commerce?

Se esse é o cenário em que você está, saiba que adiar a migração só irá travar o crescimento do seu e-commerce e abrir espaços para os concorrentes se estabelecerem.

 

Caso essa seja a sua preocupação, clique no botão abaixo para conversarmos.

 

e-commerce

  • Share post