--> Preconceito na internet - Luz Própria Blog | Blog Luz Própria

Preconceito na internet

O twitter é uma das redes sociais de maior uso entre os internautas, e vem causando alguns problemas como o preconceito. Usuários que discriminaram nordestinos no twitter podem ser processados.

Devido a derrota do Flamengo, comentários chamaram a atenção da OAB-CE, que os considerou discriminatórios.

Mensagens antissemitas se espalhar pelo twitter na semana passada por conta da decisão do Governo de São Paulo de não mais construir uma estação de metrô em Higienópolis, e no mesmo dia,  à noite, a polêmica recaiu sobre outro tipo de preconceito: contra nordestinos.

A discussão teve início com um único twitte, enviado pela usuária @_AmandaRégis: “Esses nordestinos pardos, bugres, índios, acham que têm moral, cambadas de feios. Não é a toa que não gosto desse tipo de raça”, afirmou. A palavra-chave #orgulhodesernordestino chegou à liderança do trending topics nacional e #AmandaRégis alcançou a segunda colocação no Brasil e a nona no mundo.

No outro dia a internauta resolveu desculpar-se: afirmou ter agido por impulso por causa do jogo do Flamengo – a equipe perdeu para o Ceará pelas quartas-de-final da Copa do Brasil – admitiu que não deveria ter falado algo do tipo e se comprometeu a assumir as consequencias do ato. “Vou sumir daqui (Twitter) por um bom tempo”, disse por fim.

A Ordem dos Advogados do Brasil do Ceará (OAB-CE) anunciou que entraria com notícia-crime no Ministério Público Federal e denunciaria Amanda Régis por injúria qualificada e discriminação.

A possibilidade de Amanda ser condenada por discriminação é maior do que por injúria. Nesse caso, pode pegar até cinco anos de prisão, já que o crime foi cometido a partir de um meio de comunicação.

Em novembro de 2010, logo após a divulgação de que Dilma Rousseff recebera a maioria dos votos e, portanto, seria a próxima presidente do Brasil, milhares de usuários começaram a protestar contra o resultado. Uma parcela culpou os nordestinos. Na ocasião, a polêmica teve com símbolo a internauta Mayara Petruso, que twittou: “Nordestino não é gente, faça um favor a SP, mate um nordestino afogado”.

Muitos publicaram mensagens na mesma linha e foram denunciados pelo OAB de Pernambuco. Para combater o preconceito, a mesma hashtag, #orgulhodesernordestino , foi usada.

  • Share post